Papo do Pescadô

EDIÇÃO 1098 – PAPO DE PESCADÔ

CAUSO DE PESCADOR

“ A MARVADA PINGA “

Pra começar muito bem nosso papo de hoje, vamos de causo, causo de pescador. Um grande amigo me contou e eu, como gosto de compartilhar as histórias e os “causos”, vou contar a vocês leitores desta bela coluna. Lá pros anos 70, na região de Esteios, existia uma família muito unida e tudo que fazia, fazia sempre em grupo. Os homens dessa família gostavam muito de pescar e volta e meia se encontravam para as aventuras nas beiras dos barrancos de vários rios da região. Naquele tempo tudo era mais difícil, não tinha as “modernagens” que temos hoje, tinham que ir a pé ou a cavalo, seguindo por trilhas muitas vezes quase sem condições nenhuma de caminhar, mas, iam e várias vezes tinham que pernoitar na mata, porque o retorno era impossível na escuridão da noite. Como em todas as famílias, nessa também tinha um senhor já de meia idade, tio desse meu amigo, que gostava de tomar umas “branquinhas” e, para o desespero do pessoal, ele sempre os acompanhava nas pescarias, mas era até divertido porque o tio tomava umas e outras e dava um show à parte, pois era bastante alegre e ativo, sempre fazendo suas brincadeiras. Certo dia foram pescar num local bastante ermo, então levaram muita “traia” para passar dois dias e duas noites, chegaram já escurecendo, aí foi aquela correria para erguerem as lonas a fim de construírem uns ranchos amarrados com pedaços de cordas e cipós. Depois de tudo ajeitado, tomaram uma cachacinha e cada um foi ‘pro’ seu canto comer o que tinha levado e depois descansar para pegar na “empreitada” logo pela manhã. No outro dia bem cedo, levantaram e começaram a arrumar as “ferramentas” de trabalho, anzóis, linhas, chumbadas, varas e iscas, mas cadê a lata de dois litros cheia de minhocas que tinham levado? Procuram daqui, procuram dali e nada, aí se lembraram do tio que ainda não tinha se levantado, talvez ele tinha escondido a lata, mas qual não foi a surpresa, quando se virou para atender os chamados, estava com a boca cheia de terra vermelha e a seu lado encontraram uma lata de dois litros cheinha de macarronada.
Conclusão: naquela confusão da noite anterior e com varias cachaças na cabeça, o tio comeu todas as minhocas pensando que fosse a macarronada e dormiu tranquilo até o sol nascer.

 

Piracema e a importância do Defeso

É TEMPO DE PIRACEMA

É tempo de respeitar o defeso. Incompreendida muitas vezes por turistas e também pelos próprios ribeirinhos, o tempo de piracema é de essencial importância para revitalização dos rios e lagos. Mas qual a importância do defeso da piracema? É justamente para preservar a vida nos rios. Defeso é o período de restrição da pesca em águas interiores imposto pelo poder público. É uma medida de comando e controle que visa a colaborar com a proteção e manutenção dos estoques pesqueiros nos rios brasileiros, uma vez que mais de 80% das espécies de peixes nativos das bacias hidrográficas brasileiras são reofílicas, ou seja, realizam as migrações para se reproduzirem. E, nesta migração os peixes se tornam presas fáceis de pescadores que interrompem o processo reprodutivo das espécies.

Defeso é fundamental para sobrevivência das espécies

A viagem de muitos quilômetros deixa os peixes extenuados e aí os pescadores aproveitam-se dessa fragilidade para capturá-los facilmente. No verão, quando as chuvas se tornam mais frequentes e intensas, com o aquecimento e o aumento das águas dos rios, o instinto natural leva os peixes a iniciar a grande aventura de migração para reprodução. Isso acontece em grande parte do Brasil entre os meses de novembro e fevereiro.A palavra piracema vem do Tupi-guarani: pira = peixe, cema = agitação. A explicação é fácil. Esse é o período em que os peixes nadam contra a correnteza buscando nas cabeceiras dos rios ambientes propícios para a reprodução, como águas mais limpas e mais tranquilas, onde liberam e fecundam seus óvulos. “Nessa viagem de risco, os peixes se agitam ruidosamente na linha da água, passando por momentos de grandes perigos. Além dos obstáculos naturais, precisam sobrepor as ameaças criadas pelo homem como a poluição, barragens e a pesca predatória.

Instinto animal

O instinto animal luta pela sobrevivência e faz um esforço fantástico para perpetuar a espécie. Esse é um instinto muito forte que começa antes, muito antes da reprodução propriamente dita acontecer. Assim, os animais interpretam os sinais ambientais de que a estação favorável está para chegar. São justamente os dias mais quentes, as chuvas mais frequentes, a água mais oxigenada. Tudo isso é um sinal que o instinto deles sabe captar. E o que acontece? Os machos e as fêmeas dispersos em pontos diferentes dos rios como os lagos, baías e áreas de alimentação deixam esses pontos de sossego e vão para as calhas dos rios. Deslocam-se milhares de quilômetros formando cardumes que se dirigem às áreas de desova, onde estarão próximos, maduros, prontos para o acasalamento. A fecundação dos peixes migradores é externa, e a elevada concentração de machos e fêmeas aumenta as chances de fertilização no ambiente aquático. E a lei da natureza continua: os milhões de ovos e larvas, como nuvens suspensas na coluna d’água, serão vítimas de predadores, da escassez de alimentos e de muitas outras condições adversas. Na verdade poucos chegarão à fase adulta. A dispersão dos ovos, embriões e larvas para as margens dos rios, feita pelas correntes, concorre para que encontrem maior quantidade de alimento e proteção, reduzindo essa perda.

E por que existem restrições à pesca?

O instinto de perpetuar a espécie fala mais alto, por isso durante a piracema, o apelo para reprodução é tão intenso que os peixes se descuidam de suas estratégias de proteção e ficam muito vulneráveis. Tornam-se presa fácil.. Por isso é tão importante a proteção dos peixes na época da piracema. Caros leitores, até a viagem de barco – só a passeio pelo rio – já é prejudicial. Os motores das embarcações não só dispersam cardumes, como provocam movimento das águas que acabam por influenciar no número de ovos fecundados, evidente que prejudicando terrivelmente a reprodução.

 

TROFEU DO LEITOR

Durante o período da Piracema evitaremos publicar fotos de peixes mortos aqui em nosso Papo. Convido a você amigo leitor a nos enviar aquela bela foto sua com seus amigos em uma pescaria, onde aquela paisagem fez aquela dia inesquecível, uma dia que observamos o espetáculo que é a natureza que Deus nos deu. Envie sua foto. É o seu trofeu da natureza, do meio ambiente. E você ganha na hora, a foto ampliada. Não é sorteio. É um presente da Coluna Papo de Pescadô para o amigo leitor que respeita o meio ambiente. Faça como nosso amigo Claudinho, lá do Restaurante Recanto do Peixe…. Foi ao Pantanal e tirou bela fotos : A Onça Pintada, que sempre aparece e a ave símbolo do Pantanal, o Tuiuiu. Bacana demais amigão. Obrigado.

BOM FINAL DE SEMANA. ATÉ A PRÓXIMA, SE DEUS QUISER ! TERMINO COM ESSAS DICAS PARA VENCERMOS SEMPRE…

1) Tenha Pensamento Positivo

2) Mantenha Foco Definido

3) Perdoe Sempre

4) Não se preocupe tanto

5) Pague o Preço do Sucesso 

6) Assuma o controle de sua vida

7) Faça pequenos esforços diariamente 

8) Diferencie Sucesso e Felicidade

9) Faça aquilo que você tem habilidade

10) Deseje o que você faz e faça o que deseja!

Post Anterior

Jeová, “Morro Abaixo”

Próximo Post

Tentativa de homicídio

Hemerson Kennedy

Hemerson Kennedy