Caderno 01Notícias

Prefeitos inauguram nova Escola no Gomes

No próximo dia 11 de Junho será inaugurado em Lagoa da Prata o novo prédio da Escola Municipal Professor Afonso Goular, no bairro Gomes. A unidade está instalada à rua dona Naná, 446, e o projeto – considerado arrojado, é do arquiteto Carlos Brasil Guadalupe, o Lalinho.

Com o novo prédio, serão atendidas cerca de 350 crianças, com idades entre 5 e 10 anos. O valor da obra é estimado em aproximadamente R$ 1.500.000,00, construída com recursos próprios do município. “Numa época de crise e recessão, o município que consegue avançar, entregando uma obra grandiosa com recursos próprios, é uma grande vitória”, afirma a Secretária Municipal de Educação, Paulene Andrade. Nesta unidade, que atenderá alunos do bairro Gomes e adjacências, deverão trabalhar cerca de quarenta servidores.

A construção da escola durou cerca de um ano e meio e segundo a Secretária, trata-se de “uma construção arrojada moderna, ampla, o melhor prédio escolar do município”. Para a solenidade de inauguração, está prevista a apresentação musical da banda Lira de São Carlos.

Paulene anunciou ainda para breve a inauguração da reforma e ampliação da escola João Fernandes, no bairro Sol Nascente. Em março foi entregue a obra de reforma da escola Professor Jacinto Campos, no centro da cidade, onde foram investidos cerca de R$ 300 mil, de acordo com a Secretária.

 

Investimento marca preocupação com modernidade

Paulinho Despachante (na foto durante inauguração da cantina da Escola Professor Mourão, ano passado): “Mais de dez milhões aplicados na educação municipal”...

Paulinho Despachante (na foto durante inauguração da cantina da Escola Professor Mourão, ano passado): “Mais de dez milhões aplicados na educação municipal”…

 

“Precisávamos dar condições melhores aos estudantes do bairro. A antiga escola demandava muitas reformas e já não comportava as necessidades do bairro”, afirma o prefeito Paulo Teodoro. “Decidimos então utilizar um terreno da prefeitura ali perto e oferecer à comunidade uma escola totalmente nova, mais moderna e preparada para receber as crianças daquela região com mais dignidade e conforto”, continua. Paulo lembra os investimentos feitos na área de educação em seu governo: “Foram já mais de dez milhões de reais, aplicados em obras, material didático e melhorias no funcionamento da rede escolar”, comenta. “Essa nova escola marca essa preocupação que eu e o Roberto temos com a melhoria da educação em Lagoa da Prata, não somente na infraestrutura, mas em condições de funcionamento e valorização dos servidores e dos usuários”, termina.

 

Salas em volta do pátio

No centro, o pátio. E em cada canto, uma utilidade...

No centro, o pátio. E em cada canto, uma utilidade…

 

De acordo com o arquiteto Carlos Brasil Guadalupe, o Lalinho,  que projetou a escola, a disposição das salas em torno do pátio objetiva concentrar as crianças numa área funcional. “A intenção é fazer as salas ao redor do pátio central porque a iluminação vai ser ótima. Mas em consequência desse movimento de gente que vai ter lá, as salas não tem janelas voltadas para esse pátio e sim para o lado oposto, para não causar barulho. Na idéia original esse pátio seria coberto, mas por enquanto não vai ser. Mas é uma área cimentada, com escoamento para água de chuva, e vai abrigar eventos da escola”, explica.

“Em cada canto tem um equipamento, por exemplo, num dos cantos são os banheiros, no outro a sala dos professores, em outro é a cozinha e no último canto é a entrada da escola. A concepção foi essa, um quadrado com quatro cantos e um pátio no meio”, conclui.

Lalinho explica as funcionalidades do projeto baseado no quadrado

Lalinho explica as funcionalidades do projeto baseado no quadrado

 

Afonso Goulart

Oriundo de Curvelo, MG, o topógrafo Afonso Goulart veio para Lagoa da Prata na década de cinquenta, onde juntamente com o padre José e José Antonio Guadalupe, ajudou a fundar o Colégio Monsenhor Otaviano, em 1954, hoje Nossa Senhora de Guadalupe. Foi professor de geografia e história na época, até 1966. “A gente gostava dele, contava piadas na sala de aula, mas ele ria mais que todo mundo das piadas dele”, brinca Lalinho. Participou da demarcação de várias vias públicas na cidade, como por exemplo o bairro Santa Helena. Solteiro convicto, morou vários anos no próprio colégio, e morreu em Belo Horizonte, vítima de câncer.

Um de seus legados é o traçado da avenida Fernão Dias, paralela com a Lagoa da Prata, o que, segundo revela Lalinho, teve como razão permitir aos transeuntes sempre ver a lagoa durante seu trajeto.

 

Post Anterior

Editorial: Situação de emergência!

Próximo Post

Trânsito: Vereadora propõe estacionamento rotativo no centro

Junior Nogueira

Junior Nogueira