[fusion_builder_container hundred_percent=”no” hundred_percent_height=”no” hundred_percent_height_scroll=”no” hundred_percent_height_center_content=”yes” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” status=”published” publish_date=”” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ spacing=”” center_content=”no” link=”” target=”_self” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_image_id=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” hover_type=”none” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” border_radius=”” box_shadow=”no” dimension_box_shadow=”” box_shadow_blur=”0″ box_shadow_spread=”0″ box_shadow_color=”” box_shadow_style=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_title hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” content_align=”center” size=”1″ font_size=”” line_height=”” letter_spacing=”” margin_top=”” margin_bottom=”” margin_top_mobile=”” margin_bottom_mobile=”” text_color=”#f21a02″ style_type=”default” sep_color=””]

TJ nega recurso do prefeito para intervenção no Hospital

[/fusion_title][fusion_text columns=”” column_min_width=”” column_spacing=”” rule_style=”default” rule_size=”” rule_color=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””]

Acaba de ser publicada nesta quinta-feira, 30 de Maio, a decisão do Tribunal de Justiça de MG sobre o pedido de efeito suspensivo para a liminar expedida pela juíza de Lagoa da Prata, dra. Gisa Gadelha, que suspendeu os efeitos do decreto 106/2019, do prefeito Paulo Teodoro, determinando a intervenção no Hospital São Carlos.

O Desembargador Carlos Roberto de Faria, relator do agravo de instrumento interposto pela prefeitura, alega que a suspensão dos serviços pelo Hospital, decorrentes dos atrasos de repasses pelo governo do estado, não afetará o funcionamento dos leitos de UTI e nem o serviço de urgência-emergência do município, uma vez que a cidade conta com uma unidade de pronto atendimento (UPA) 24 horas (veja a íntegra do documento no link abaixo).

(Clique aqui para ler a íntegra da decisão)

Dessa forma, a administração do Hospital continua com a atual diretoria, até que um eventual novo recurso – no caso um agravo interno – seja apreciado pelo Tribunal, num prazo mínimo de sessenta dias.

O vice-presidente da Fundação São Carlos, Saulo Resende, disse que a decisão veio de encontro à expectativa da diretoria e que mesmo que não seja definitiva, é tranquilizadora.

“A decisão fala por si. Além de ser muito bem fundamentada é uma decisão ponderada, que leva em consideração um contexto muito mais amplo e resgata pressupostos de todo o processo. A questão se encaminha para uma conclusão que favorece a pretensão da Fundação na primeira e na segunda instâncias. Continuamos atentos, trabalhando, mas a decisão de hoje do ponto de vista jurídico, é redentora”, declarou.

[/fusion_text][fusion_title hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” content_align=”left” size=”2″ font_size=”” line_height=”” letter_spacing=”” margin_top=”” margin_bottom=”” margin_top_mobile=”” margin_bottom_mobile=”” text_color=”” style_type=”default” sep_color=””]

Entenda o caso…

[/fusion_title][fusion_text columns=”3″ column_min_width=”40px” column_spacing=”” rule_style=”double” rule_size=”” rule_color=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””]

  • No dia 04 de abril o promotor de justiça Luiz Augusto Pena, curador da fundação, foi à rádio Veredas falar sobre a paralisação dos serviços e explicar sobre os convênios mantidos com o poder público que estavam prejudicando a situação financeira do hospital – no caso o governo estadual, já que a prefeitura havia suspendido o repasse de dinheiro para o HSC desde 2016 por não ter renovado o convênio;
  • No dia seguinte, 05 de abril, o prefeito Paulo Teodoro foi à rádio rebater as declarações do promotor e tecer duras críticas a ele e à Fundação, chegando a chamar os diretores de reis e os funcionários de súditos, afirmando que a instituição recebeu fortunas dos governos estadual e federal e que não consegue administrar o Hospital;
  • Ainda na terça, 28, a juíza da comarca, dra. Gisa Gadelha, concedeu uma liminar suspendendo os efeitos do decreto e mantendo o HSC sob a administração da sua diretoria atual;
  • A prefeitura interpôs um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça – instância superior, para a suspensão da liminar e manutenção do decreto e consequentemente da intervenção;
  • Nesta quinta-feira, dia 30, o relator Desembargador Carlos Roberto de Faria analisou o pedido e decidiu pelo seu indeferimento, ou seja, mantendo o decreto do prefeito suspenso e a intervenção cancelada.
  • O prefeito pode ainda mover novo recurso para tentar reverter a decisão. Por enquanto, continua do jeito que estava, com o Hospital sendo administrado pela Fundação São Carlos.

Mais notícias a qualquer instante.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

- Anúncio -