Operação policial realizada em Lagoa da Prata - foto: Polícia Militar
Operação policial realizada em Lagoa da Prata - foto: Polícia Militar

Polícia anuncia redução de 52% de crimes violentos em Lagoa da Prata

Os crimes violentos em Lagoa da Prata caíram pela metade, segundo levantamento feito pela própria Polícia Militar,comparando as ocorrências registradas nos três primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado.

Na região o índice médio foi de trinta por cento, segundo assessoria da instituição. As principais razões são apontadas pela corporação como o investimento feito no policiamento ostensivo e na utilização de técnicas de inteligência.

 

“Considerando que os crimes violentos caracterizam-se pelo alto poder ofensivo e notável responsabilidade na desconstrução de um ambiente de tranquilidade pública, o Tenente-Coronel Roberto Martins, Comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar, reforçou o policiamento ostensivo nos 19 municípios que integram a Unidade, o que culminou na reversão satisfatória dos índices criminais no primeiro trimestre de 2018 em comparação com o mesmo período de 2017”, afirma a assessoria de comunicação, em nota distribuída à imprensa nesta sexta-feira, dia 20 de abril.

 

“Através de um trabalho intenso de patrulhamento e diagnóstico aprofundado da criminalidade, a Polícia Militar conseguiu reduzir em quase 30% a incidência de crimes violentos em toda área do 7º BPM. Já no município de Bom Despacho, sede da Unidade, o número de casos envolvendo crimes violentos caiu 19,51%. Em Lagoa da Prata (sede da 107ª Cia), a redução foi de 52% e, em Abaeté (sede da 141ª Cia), tais crimes diminuíram aproximadamente 23%.

Para a Polícia Militar, os crimes considerados violentos são classificados em duas categorias. A primeira é o crime contra o patrimônio, que compreendem roubos consumados e roubos a mão armada (assaltos). Já a segunda categoria é o crime contra a pessoa, que enquadram as tentativas de homicídio, homicídio consumado, estupro, sequestro e cárcere privado, além da extorsão mediante sequestro”, explicita o documento.

 

Além da redução na criminalidade violenta, a PM ainda registrou um aumento nas apreensões de armas de fogo, que praticamente dobrou na extensão da Unidade (de 50 para 99 armas recolhidas do fluxo criminal), ou seja, um crescimento de 98,0%. Em Bom Despacho, o número de armas apreendidas pulou de 07 para 16, aumentando em 129% o índice de apreensões em relação ao ano passado.

 

O Comandante do 7º BPM ressaltou que o reforço em ações preventivas aliado à participação comunitária através de denúncias via 190 e 181 (Disque Denúncia Unificado) contribuíram com os resultados. É importante salientar que um dos pilares do DDU é a garantia do anonimato total de quem fornece as informações.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Organizacional do 7º BPM

- Anúncio -